sábado, 28 de abril de 2012

Cronologia Trabalhos Tania Alves


Currículo Resumido Tania Alves

Nascida no Rio de Janeiro em 12 de setembro de 1953, Tania Alves é atriz, cantora e empresária. Como atriz participou de várias peças de teatro cantando, dançando e interpretando, como os musicais 'A Ópera do Malandro', 'Viva o Cordão Encarnado', 'Lampião no Inferno', 'Calabar - O Elogio da Traição', 'E daí, Isadora?', 'Tieta do Agreste - O Musical', 'Detalhes tão pequenos de nós dois' e 'Como Eliminar Seu Chefe', além de peças não musicais como 'Mumu, a Vaca Metafísica', 'Os Monólogos da Vagina' e 'Mulheres Alteradas'. Estrelou filmes como 'Cabaret Mineiro', 'O Olho Mágico do Amor', 'Onda Nova', 'O Mágico e o Delegado', 'O Cangaceiro Trapalhão' e 'Parahyba, Mulher Macho'. Participou de muitos trabalhos na televisão, como as minisséries 'Lampião e Maria Bonita', 'Tenda dos Milagres', 'Bandidos da Falange'; os especiais 'Morte e Vida Severina', 'Órfãos da Terra', 'O Compadre de Ogum'; as novelas 'Ti-Ti-Ti', 'Pedra sobre Pedra', 'Araguaia', 'Pantanal', 'Tenda dos Milagres', 'Mandacaru' e 'Essas Mulheres'; além de apresentar programas como Meu Brasil Brasileiro (SBT) e Agita Brasil (TV Manchete). Como cantora, realizou inúmeros shows no Brasil e no exterior, gravou mais de 20 discos, incluindo uma bem sucedida coleção de boleros. Recentemente Tania tem viajado com seus shows 'Alma Latina', 'Bossas e Boleros', 'A Era de Ouro da Rádio' e 'Todos os Forrós', além de participar do show 'Palavra de Mulher'. Como empresária, é proprietária do Spa Maria Bonita/Nova Friburgo, Spa Maria Bonita/Ipanema e do restaurante vegetariano Spazziano, Raw & Organic Food, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Tania também ministra palestras sobre qualidade de vida. Em 2017 participa do programa Dancing Brasil, da Record TV.  


BIOGRAFIA

Tania Alves é uma das cantrizes brasileiras que mais atua nas duas áreas em que trabalha.

Ao contrário do que muitos pensam, sua carreira não teve início com a minissérie “Lampião e Maria Bonita”, exibida pela TV Globo em 1982. Antes disso, ela já havia trabalhado em vários musicais no teatro e também em diversos filmes no cinema.


O INÍCIO

Carioca de Copacabana, nascida em uma família de classe média alta, Tania sempre esteve ligada à música. Seu pai tocava vários instrumentos e gostava de levá-la para saraus e serestas. Com apenas 10 anos, Tania já era formada em acordeom, tão aplicada que podia dar aulas, embora o que mais quisesse da vida era ser bailarina, o que o pai reprovava veementemente.

Do acordeom ela passou para o violão, o pandeiro e a flauta doce. Como o pai trabalhava em uma empresa alemã, Tania foi estudar este idioma no Instituto Cultural Brasil Alemanha, onde entrou em contato com a música erudita. Lá teve aulas de canto lírico com as professoras Fátima Alegria e Charlotte Lehmann – foi com elas que começou a desenvolver a voz de soprano - , e fez curso de música barroca, além de participar do coral. No Instituto, ela cantava Liszt, Schumann, Häendel e Bach.

Na mesma época, Tania integrou o Grupo Musicantata, juntamente com José Carlos Gondim, Eduardo Rosa, Cícero Siqueira e Nazaré Silvério. Na Universidade Federal Fluminense, ensaiando com o Grupo Musicantata, com cerca de 15 anos, Tania conheceu os atores Imara Reis e Tonico Pereira, com quem trabalharia pouco depois nos espetáculos de Luiz Mendonça. Imara e Tonico participavam do Grupo Laboratório, formado em 1968 por alunos da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade Federal Fluminense (UFF). O diretor era o mesmo José Carlos Gondim, que também participava do Grupo Musicantata.

Logo depois ela ingressaria na Faculdade de Letras, onde chegou a fazer um teste para o espetáculo “As Incelenças”, texto de Luiz Marinho, no teatro amador da faculdade.

A falta de identificação com o conteúdo das matérias e a repressão política da época fizeram com que Tania abandonasse o curso e viajasse para a Bahia, onde se casou com um artista plástico, pai de sua filha, a atriz Gabriela Alves.


TEATRO

Já de volta ao Rio, ao trabalhar com dublagem, no início dos anos 70, Tania conheceu a dubladora Ilmara Rodrigues, que a ajudou a conseguir seu primeiro papel, na peça infantil: “O Rapto das Cebolinhas”, em 1973. Nesta peça ela contracenava com o ator Tonico Pereira e, através dele, chegou ao diretor Luís Mendonça (1931 – 1995), que ensaiava naquele momento “As Incelenças”, a mesma peça que Tânia fizera na faculdade.

Mas inicialmente ela ia apenas para assistir o espetáculo, ainda não participava como atriz. “Eu via As Incelenças todos os dias, completamente fascinada. Era tiete do grupo e já sabia o texto inteiro de cabeça quando, certa noite, uma das atrizes não apareceu. O Luiz Mendonça, diretor da peça, desesperado falou: Você vem aqui todo dia, já conhece a peça. Não quer substituir a atriz que faltou? Só tem três falas e tem que cantar as músicas. Ele insistiu, me convenceu, aceitei e fiz o papel nesse mesmo dia. A outra atriz nunca mais voltou. Então eu fiquei”, conta Tania no livro "Tania Maria Bonita Alves", da Coleção Aplauso.

Com o grupo de Mendonça, o Chegança, ela viajou o Brasil todo trabalhando ao lado de nomes como Elba Ramalho, Tonico Pereira, Imara Reis, Ilva Niño, Gracinda Freire, Joel Barcelos, Yolanda Cardoso, Antonio Pitanga, Walter Breda, Alby Ramos e até o famoso Madame Satã.

Por sua atuação em “Viva o Cordão Encarnado” e “Lampião no Inferno”, ganhou o Prêmio Governador do Estado, como revelação.

Com Mendonça participou também de espetáculos como "A Incrível História de Pedro Bacamarte", "Da Lapinha ao Pastoril" e "Onde Canta o Sabiá".

Em 1976, à convite do Grupo Teatro da Cidade de Santo André, Tania atuou em “Mumu, a Vaca Metafísica”, de autoria do dramaturgo e autor de novelas Marcílio de Morais. 

Em 1977, atuou ao lado de Jonas Bloch em 'Dois Pontos', um espetáculo de canto, dança, pantomima e recitação de textos de Garcia Lorca, Brecht, Ionesco, Oduvaldo Viana Filho, Maiakovski, Fauzi Arap e Vinícius de Morais.

Em 1979, participou do musical "O Fado e a Sina de Mateus e Catirina", com direção de Cecil Thiré.

Também em 1979, Tania foi convidada a integrar o elenco da montagem paulista de “Ópera do Malandro”, de Chico Buarque e com direção de Luiz Antônio Martinez Corrêa. Ela viveu Terezinha, que no Rio foi interpretada por Marieta Severo, e ganhou muitos elogios da crítica especializada por sua atuação. Em 1980, ela participou de outro musical de Chico Buarque, "Calabar - O Elogio da Traição, que havia sido censurado em 1973. O texto foi anistiado e liberado para uma montagem no Teatro São Pedro, em São Paulo, com Martha Overbeck, Othon Bastos, Tania e Renato Borghi no elenco e direção de Fernando Peixoto.

Em 1992, após um hiato de 12 anos afastada dos palcos como atriz, Tania e Pedro Paulo Rangel estrelaram "Detalhes tão Pequenos de Nós Dois", uma comédia romântica escrita e dirigida por Felipe Pinheiro. No espetáculo, Pedro Paulo vivia um ermitão urbano e Tania uma empregada nordestina apaixonada pelo repertório de Roberto Carlos. A montagem e a atuação da dupla foi bastante elogiada por críticos como Barbara Heliodora e Macksen Luiz.

Em 2002, ela atua, ao lado de Jalusa Barcellos, em "E Daí, Isadora?", com direção de Bibi Ferreira. Dois anos depois, integra o elenco do mega sucesso "Os Monólogos da Vagina", texto da dramaturga Eve Ensler que foi trazida para o Brasil pelos atores e produtores Cássio de Souza e Vera Setta, e ganhou adaptação de Miguel Falabella.

Em 2007, Tania estreia a versão musical do clássico de Jorge Amado, "Tieta do Agreste", personagem vivido anteriormente por Betty Faria, na TV, e por Sonia Braga, no cinema. A peça marcou a volta de Tania aos musicais, gênero do qual ela participou ativamente no início de sua carreira.

Em seguida ela atua em "Eu Não Sou Cachorro Não – Um Musical Brega" (2012) e "Mulheres Alteradas" (2012).

Em 2014, interpreta a mulher de Ary Barroso no o musical "Ary Barroso, Do Princípio ao Fim", estrelado por Diogo Vilela.

Após participar de dezenas de musicais nacionais, no ano de 2015 Tania faz sua estreia em musicais adaptados da Broadway, como uma das protagonistas de “Como Eliminar Seu Chefe” (Nine To Five), adaptado no Brasil por Cláudio Figueira, com versão de Flávio Marinho. No cinema, o filme foi estrelado por Jane Fonda, Lily Tomlin e Dolly Parton.


MÚSICA

Tania Alves sempre gostou de cantar. Depois de participar do coral de música barroca do Instituto Cultural Brasil Alemanha e do Grupo Musicantata, da UFF, ela cantou nos vários espetáculos musicais que fez com o Grupo Chegança, de Luiz Mendonça, ou em participações especiais em discos de artistas como Vital Farias e Manduka.  Em 1977, cantou no filme "Morte e Vida Severina", de Zelito Viana, registrando em disco as músicas "Funeral de um Lavrador" e "As Ciganas".

Ao participar do musical "Ópera do Malandro", em 1979, conhece Chico Buarque e foi por intermédio dele que Tania chega ao mundo do disco. Por sua indicação, ela grava seu primeiro LP, “Bandeira”, lançado em 1980 pela Polygram. O álbum teve direção musical de Manduka e direção de produção de Marcos Maynard. Era um disco bem ligado ao mundo do teatro, no qual Tania usava várias vozes diferentes.

Casada com o músico chileno Enzo Marino, do grupo Raíces de América, Tania voltou a tocar acordeom e começou a colocar letras nas composições do marido. Dessa mistura, “forró pan-americano”, como ela gosta de dizer, surgiu o disco “Novos Sabores”, lançado pela Polygram em 1983, trazendo diversas composições de Enzo e Tania, incluindo "Viajar", tema do filme "Parahyba Mulher Macho", de Tizuka Yamazaki. Também estão presentes no disco os compositores Eduardo Dussek, Luis Carlos Góes, Lula Queiroga e Tavinho Paes.

Em 1986, Tania lança, pela CBS, seu terceiro disco, "Dona de Mim". O álbum traz composições de grandes nomes da Música Popular Brasileira, como Caetano Veloso, Chico Buarque, Djavan, Moraes Moreira, Jorge Portugal e Roberto Mendes, João Donato, entre outros. O grande sucesso deste disco é a música "Pagã", adaptação de Patrícya Travassos para letra original de J. Losada, M.R. Ovelar e E. Baquero. A canção foi bastante executada em rádios e programas de TV de todo o Brasil. Também fizeram sucesso a chula "Amor de Matar", incluída na trilha da minissérie da TV Globo "Tenda dos Milagres" e o bolero "Dança do Amor", incluída na trilha da novela da TV Globo "Ti-ti-ti".

No ano seguinte, Tania lança, pela CBS, seu quarto disco, batizado de "Tania Alves". Com arranjos de Lincoln Olivetti e participação de Cesar Camargo Mariano, o álbum traz músicas então inéditas de Paulo Ricardo e Luiz Schiavon (do RPM), Moraes Moreira, Fausto Nilo, Bebeto Alves e Jorge Portugal & Roberto Mendes. O grande hit foi "Aconteceu no Elevador", do pernambucano Ricardo Monteiro.

Em 1988, Tania Alves passa um período morando nos Estados Unidos e, a convite de empresários norte-americanos que queriam lançá-la no mercado internacional, grava um disco chamado "Brasil-Brazil" que foi muito bem recebido pelos DJs de lá.

De volta ao Brasil, ela lança, em 1989, seu sexto álbum solo, "Folias Tropicais", com músicas de Carlinhos Brown, Antônio Carlos & Jocafi, Raul Seixas, Humberto Teixeira & Luis Gonzaga, Roberto Mendes & Jorge Portugal, entre outros, trazendo a participação especial de Dominguinhos. O disco é uma homenagem aos compositores e ritmos baianos, misturando axé, forró, galope, lambada, entre outros.

Em 1990/91, Tania Alves passou um tempo em Salvador e aproveitou para fazer um disco com 90% de músicos e músicas baianos. Esse trabalho, intitulado "Humana", foi lançado de forma independente em 1992. 

Em 1994, Tania Alves dá início à bem-sucedida coleção "Amores e Boleros", que gerou seis discos com boleros clássicos e versões aboleradas de outras canções. "Amores e Boleros", lançado em 1994, abre a série, com direção de José Milton. É o 8º disco de Tania e traz a participação do Trio Irakitan. Em seguida vêm "Amores e Boleros - Vol.II" (1996), "Amores e Boleros - Vol.III" (1997), "Coração de Bolero" (1999), "De Bolero em Bolero" (2001) e "Bossas e Boleros" (2003).

Entre as gravações de boleros, Tania também lança, em 2000, um disco só de forrós, intitulado "Todos os Forrós", produzido por Robertinho do Recife, com direção artística de João Augusto. O álbum traz forrós clássicos como "Por Debaixo dos Panos" até regravações de "De Noite na Cama" (Caetano Veloso) e "A Massa" (Jorge Portugal/Roberto Mendes), entre outras músicas.

Em 2005, a artista lança seu primeiro DVD, "De Bolero em Bolero", pela Universal Music. Em 2015 ela participa do DVD do espetáculo "Palavra de Mulher", estrelado por Tania, Lucinha Lins e Virgínia Rosa. O DVD, uma parceria da produtora Mesa 2 com o Canal Brasil e a Gravadora Eldorado, foi gravado durante a temporada carioca do musical, no Teatro Maison de France, em 2014.

Nestes mais de 40 anos de carreira, Tania também participou de diversas trilhas sonoras de filmes, peças e produções de TV das quais participou, tais como "Morte e Vida Severina", "Cabaret Mineiro", "O Cangaceiro Trapalhão" no cinema; "Tamanho Família", "Tenda dos Milagres", "TiTiTi" e "Tiradentes, Nosso Herói" na TV; e também do projeto Nordeste Já, de 1985, que reuniu grandes nomes da MPB, de Tom Jobim a Caetano Veloso, de Elizeth Cardoso a Tim Maia, passando por Roberto Carlos, Djavan, Gonzaguinha, Gal Costa, Maria Bethânia, Gilberto Gil, Chico Buarque, Milton Nascimento e Fagner, entre muitos outros. Os artistas gravaram um compacto em benefício da população carente do Nordeste. Tania participou das duas gravações. Em "Chega de Mágoa" ela cantou no coro. Já em "Seca d´Água" ela teve uma das partes da letra para cantar.

Recentemente Tania tem viajado com seus shows 'Alma Latina', 'Bossas e Boleros', 'A Era de Ouro da Rádio' e 'Todos os Forrós', além de participar do show 'Palavra de Mulher' ao lado das cantoras Virgínia Rosa e Lucinha Lins, cantando músicas de Chico Buarque, sob direção de Fernando Cardoso. Desde 2008, o espetáculo tem feito várias temporadas pelo Brasil afora.

Tania garante que nunca se dividiu entre a cantora e a atriz, apesar de algumas pressões que sofreu: “A criação e a expressão são livres. Essa é a minha verdade, por isso jamais tive minha autoconfiança abalada. Quero é ser feliz”, disse em uma entrevista.



CINEMA

Em 1976, Tania Alves participa do curta metragem "Hoje Tem Futebol", de José Antônio Garcia, diretor com quem trabalharia depois em "O Olho Mágico do Amor" e "Onda Nova". O curta, de 22 minutos, trata-se de uma ficção sobre a preparação de uma equipe de futebol e contou com a participação de jogadores de verdade, como Zé Maria, Wladimir, Pita, além dos Dzi Croquetes Dario, Baiard e Paulette; Tania, Eugenia Domenico e participação especial de Regina Duarte. Tania faz uma juíza que canta 'Chica Chica Boom Chic', de Carmen Miranda. Neste mesmo ano ela participa do filme 'Trem Fantasma', do parisiense Alain Fresnot, e que contou com as participações também de   Elba Ramalho, Walter Breda e Ricardo Blat.

Em 1977, Tania integra o elenco do filme-documentário “Morte e Vida Severina”, com direção de Zelito Viana. No longa, ela canta no número “Funeral de um Lavrador” e faz uma das ciganas ao lado de Elba Ramalho, então sua companheira do grupo de teatro de Luiz Mendonça.

Ainda em 1977 ela participa de "Emanuelle Tropical", de J. Marreco; e em 1979, atua em 'Bachianas Brasileiras: Meu Nome É Villa-Lobos' filme dirigido para a televisão por José Montes-Baquer, baseado na biografia do compositor Heitor Villa-Lobos.

Em 1980, Tania tem sua primeira boa oportunidade no cinema, participando do longa “Cabaret Mineiro”, com direção de Carlos Alberto Prates Correia. No filme, ela interpreta Avana, dançarina 'espanhola' de Montes Claros, que tem um romance com um aventureiro, interpretado por Nelson Dantas. Tania também participa da trilha sonora - assinada por Tavinho Moura -, cantando três músicas: "Cabaret Mineiro" (Carlos Drummond de Andrade, Tavinho Moura), "O Sonho" (Zezinho da Viola) e "Te pega te pica" (Carlos Alberto Prates Correa, Zeduardo, Tavinho Moura). Por sua atuação, Tania ganhou o Kikito de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante em 1981.

Em 1981, Tania vive a prostituta Penélope no filme cult “O Olho Mágico do Amor”, de José Antônio Garcia e Ícaro Martins, e considerado um expoente do cinema paulista de vanguarda dos anos 80. Por sua atuação ela ganha o Prêmio de Melhor Atriz da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). 
Em 1983, Tania apareceu nas telas de cinema em nada mais que três produções.

Por sua interpretação da poeta feminista Anayde Beiriz de “Parahyba Mulher Macho”, filme de Tizuka Yamazaki, Tania ganha vários prêmios, como os de melhor atriz do Festival de Cartagena (Colômbia) e do Festival Internacional Novo Cinema Latino-Americano de Havana (Cuba). O filme é um grande sucesso de público. Sobre a atuação de Tania, a diretora Tizuka Yamazaki afirmou em entrevista ao jornal O Globo: "A Tânia é fantástica. Canta, dança, tem um rosto muito brasileiro e é extremamente exótica para quem está fora do Brasil. Ela entrou na personagem, viveu-a com muita intensidade. Foi realmente um prazer trabalhar com ela, porque é um gênio!" (O Globo: 27 de Abril de 1983).

Em "O Mágico e o Delegado", de Fernando Coni Campos, Tania interpreta Paloma, a partner do mágico Don Velásquez (Nelson Xavier). O casal chega a uma pequena cidade do interior do Bahia para apresentar um espetáculo de variedades, com números de mágicas e de canto e dança, mas esbarra na resistência do delegado. O filme tem fotografia assinada por Mário Carneiro e música de Nelson Jacobina.

Também em 1983, após o sucesso da minissérie da TV Globo "Lampião e Maria Bonita" (ver TV), Tania Alves volta a interpretar a rainha do cangaço, mas desta vez em versão cômica, no filme "O Cangaceiro Trapalhão", com direção de Daniel Filho. Com argumento e roteiro de Doc Comparato e Aguinaldo Silva, e diálogos por Chico Anísio, o longa conta no elenco com Renato Aragão, Dedé Santana, Mussum, Zacarias, Regina Duarte, Bruna Lombardi, Nelson Xavier, José Dumont, Lutero Luiz e até Tarcísio Meira, em participação especial.

Ela volta a trabalhar com José Antônio Garcia e Ícaro Martins, desta vez no filme “Onda Nova”, que estreia em 1984, com as participações de Regina Casé, Caetano Veloso, Cida Moreira e Carla Camuratti.
  
Também em 1984, Tania Alves estrela o filme italiano "Sole Nudo", dirigido por Tonino Cervi. Em 1990, ela participa, ao lado do dançarino Carlinhos de Jesus, do filme "Lambada, Sonho e Sucesso", produzido por Luis Carlos Barreto, e dirigido por Pedro Nanni. No ano seguinte ela atua em "A República dos Anjos", de Carlos del Pino.

Lançado no Festival de Brasília de 1998, o filme 'A Hora Mágica', de Guilherme de Almeida Prado, é uma adaptação do conto Cambio de Luces, de Julio Cortázar. Ambientado no Brasil de 1950, a narrativa focaliza a construção de uma realidade ilusória, através dos efeitos luz e som que compõem a magia do cinema, do teatro, do rádio e da televisão. Tania Alves interpreta Lilia Cantarelli, uma cantora da Era do Rádio, e tem vários números musicais.



TV

Em 1976, Tania Alves faz sua estreia na TV em um especial da TV Cultura chamado "Caixa Forte" (foto), de Arthur Hailey, com adaptação e direção de Silvio de Abreu. O programa, fazia parte do Teatro 2, que a emissora apresentou. Uma curiosidade deste trabalho é que a filha de Tania, a atriz Gabriela Alves, também participou, com apenas três anos de idade. Tania também atua em "Hoje é Dia de Rock", do mesmo programa na TV Cultura.

Em 1981, Tania integra o elenco de "Morte e Vida Severina", premiado especial de Natal produzido pela TV Globo dirigido por Walter Avancini, com versos de João Cabral de Melo Neto (de seu auto homônimo) e música de Chico Buarque. Tania vive a camponesa que canta a célebre "Funeral de um Lavrador", um dos momentos mais fortes da obra. O especial foi exibido em 22 de dezembro de 1981, em horário nobre (22h). 

Em 1982, Tania estoura em todo o Brasil todo vivendo a protagonista da minissérie “Lampião e Maria Bonita”, ao lado de Nelson Xavier. "Lampião  e  Maria  Bonita" foi a primeira minissérie produzida pela Rede Globo de Televisão, e  estreou  às 22h do dia 26 de abril de 1982. A produção teve no total oito capítulos, com roteiro assinado por Aguinaldo Silva e Doc Comparato, e direção de Paulo Afonso Grisolli. A minissérie foi premiada com a medalha de ouro do Festival de Filmes e Televisão de Nova York e foi vendida para vários países.

Em 1983, Tania participa da minissérie "Bandidos da Falange", escrita por Aguinaldo Silva, com colaboração de Doc Comparato, e dirigida por Luís Antônio Piá e Jardel Mello. A obra foi uma das precursoras a abordar a violência de forma tão realista na televisão.  Na produção, Tania vive Glória, casada com o manobrista Valdir (José Dumont), e que acaba se envolvendo com o bandido Bira (Roberto Bonfim).

Seus próximos trabalhos em TV são os especiais 'Tiradentes, Nosso Herói', criação de Federico Padilla, Lafayette Galvão e Augusto César Vannucci, com direção geral de Augusto César Vannucci; e 'Órfãos da Terra', escrito por Aguinaldo Silva e dirigido por Paulo Afonso Grisolli. O programa conta a história de Do Carmo, uma sertaneja maltratada pela vida e que sofre para sobreviver à seca do Nordeste junto aos filhos. O especial foi premiado com o 'Olho do Leopardo' de Bronze, no Festival Internacional de Televisão de Locarno, na Suíça. Ambos são de 1984.

Em 1985, depois de já ter feito vários especiais e minisséries na TV, Tania Alves faz sua estreia em novelas, no grande sucesso "Ti-Ti-Ti", de Cassiano Gabus Mendes, com direção de Wolf Maya. A novela foi exibida de 5 de agosto de 1985 a 8 de março de 1986, pela TV Globo, no horário das 19h. Na trama, ela interpretou Clotilde, secretária (e amante) de Jacques Léclair (Reginaldo Faria), com quem realizava as mais engraçadas fantasias sexuais. Neste mesmo ano ela atua na minissérie da TV Globo Tenda dos Milagres", interpretando a jornalista carioca Ana Mercedes, por quem o protagonista Pedro Arcanjo (Nelson Xavier) se apaixona e com quem funda o jornal Tenda dos Milagres para lutar contra a discriminação racial.

Em 1990, estreia, na TV Manchete, a novela "Pantanal", um sucesso arrebatador no universo da dramaturgia brasileira, com altos índices de audiência. Tania Alves participou da primeira fase de "Pantanal", vivendo a jovem Filó, a empregada apaixonada por Zé Leôncio (Paulo Gorgulho, na primeira fase). Na primeira fase da trama, ela contracenou com Ingra Liberato, Carolina Ferraz, Marcos Caruso, Ewerton de Castro, além de Paulo Gorgulho.

Em 1992, Tania volta à TV Globo com a novela "Pedra sobre Pedra", de Aguinaldo Silva. A novela foi exibida de de 6 de janeiro a 31 de julho de 1992, com direção de Paulo Ubiratan, Gonzaga Blota, Luiz Fernando Carvalho e Carlos Magalhães, e direção geral de Paulo Ubiratan. Na trama, Tania interpretou Lola, moça que trabalhava no Grêmio Recreativo da cidade de Resplendor e era irmã de Sérgio Cabeleira (Osmar Prado) e a favorita de Murilo Pontes (Lima Duarte).

Também na TV Globo, Tania participa, em 1994, do especial "O Compadre de Ogum", baseado em obra de Jorge Amado, e com adaptação de João Ubaldo Ribeiro e Geraldinho Carneiro, e direção de Roberto Talma. No especial ela vive uma mãe de santo.

Em 1995, Tania Alves protagonizou, na extinta TV Manchete, a novela "Tocaia Grande", uma adaptação do romance de Jorge Amado. Tania interpretou a prostituta Júlia Saruê, perseguida pelos coronéis de Itabuna, no sul da Bahia, e mãe de quatro filhos, que abandonou quando estes eram pequenos. A novela foi escrita por Duca Rachid, Mário Teixeira e Marcos Lazarini, e teve supervisão de texto de Walter George Durst. A direção foi assinada por Walter Avancini, Régis Cardoso, João Camargo, J. Alcântara e Jacques Lagoa, com direção geral de Walter Avancini. 

Já em 1997 ela faz uma participação na novela seguinte da TV Manchete, "Mandacaru", com direção geral de Walter Avancini. Na trama, ela vive Severina Dantas, uma falsa médium que diz encarnar o espírito de Dom Sebastião, venerado pelo cangaceiro Zebedeu (Bemvindo Siqueira).

No ano seguinte, Tania participa da última novela da TV Manchete, "Brida", baseada em livro de mesmo nome de Paulo Coelho e dirigida por Walter Avancini. O processo de falência da TV Manchete e uma greve, do elenco e dos técnicos, causada por salários atrasados, fizeram com que a exibição da novela fosse interrompida abruptamente. 

Em 2000, Tania integra o elenco de "Marcas da Paixão", na Rede Record, interpretando Zefinha, mulher sofrida mas forte e decidida, que cria os filhos sozinha, após o marido ir para São Paulo e não voltar mais. 

Em 2001, Tania faz uma participação especial na primeira fase da novela "O Clone", de Glória Perez, exibida pela TV Globo, onde vive a cantora Norma.

Em 2005, Tania participou da novela "Essas Mulheres", um grande sucesso produzido pela Rede Record, baseado na obra de José de Alencar (reunindo personagens de três obras suas: "Senhora", "Diva" e "Lucíola"). Na novela, Tania vivia Firmina Mascarenhas, uma ex-cortesã, que, por sua experiência, fica incumbida de treinar Glória (Carla Regina) e vira dama de companhia de Aurélia (Christine Fernandes).

De volta à Globo em 2007, Tania integra o elenco da minissérie "Amazônia - de Galvez a Chico Mendes", de Glória Perez. Na trama, ela viveu a seringueira Dos Anjos, mulher de Zuca (José Ramos) e mãe de Viriato (Ilya São Paulo).

Em 2010, Tania volta às novelas em 'Araguaia', de Walter Negrão. Com direção geral de Marcos Schechtman e Marcelo Travesso, a novela foi ambientada no interior do Brasil, às margens do rio Araguaia. Na trama, Tania viveu Pérola, casada com Cirso (Gésio Amadeo) e mãe de Safira (Cinara Leal), Esmeralda (Raquel Villar) e Ametista (Nanda Lisboa), as 'joias do Araguaia'.

Ao longo de sua carreira Tania fez participações também em programas diversos, como "Sítio do Picapau Amarelo", Bar Academia, "Armação Ilimitada", "A Grande Família", entre outros.  De 1988 a 1990, ela apresentou, na extinta TV Manchete, o programa Agita Brasil. A atração era apresentada aos domingos, às 19h. Já em 2000, ela apresentou o "Meu Brasil Brasileiro", no SBT.

Em 2017, Tania é uma das participantes do programa 'Dancing Brasil', da Record TV.  Em parceria com a BBC Worldwide e a Endemol, o programa é uma versão do 'Dancing with the stars', e aqui é apresentado por Xuxa Meneghel, e com Sergio Marone trazendo detalhes dos bastidores da disputa.


EMPRESÁRIA 

Tania Alves cursou a Faculdade de Letras da UFRJ e a Universidade Nacional de Yôga, tornando-se instrutora em Svasthya Yôga.

Há mais de 40 anos é pesquisadora de temas relacionados a Saúde e Nutrição. É Membro da American Natural Hygiene Society.

Empresária, é proprietária do Spa Maria Bonita/Nova Friburgo, Spa Maria Bonita/Ipanema e do restaurante vegetariano Spazziano, Raw & Organic Food, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Por sua credibilidade e referência em emagrecimento e reeducação alimentar, seu Spa Maria Bonita foi considerado um dos 10 melhores Spas do Brasil pela Revista Viagem, o único do RJ no ranking.

Tania também recebeu o Prêmio Chico Mendes por sua atuação positiva em relação ao Meio-Ambiente e a Medalha Tiradentes, por sua importância na Cultura Brasileira.

Baseada em suas pesquisas e em sua experiência no Spa, escreveu três livros: "Emagreça Feliz", "Emagreça para Sempre - a Teoria” e "Emagreça para Sempre - a Prática". 



CRONOLOGIA TRABALHOS TANIA ALVES  


DÉCADA DE 2010


2017
Dancing Brasil - Record TV - programa de variedades

2015
"Palavra de Mulher" - DVD do show
“Como Eliminar Seu Chefe" - teatro

2014
"Alma Latina" (estreia) - show

2013
"Ary Barroso do Princípio ao Fim" - teatro

2012
"Eu Não Sou Cachorro Não – Um Musical Brega" - teatro
"Mulheres Alteradas" - teatro

2010
"Araguaia" - TV Globo - novela
"Cantando a Era de Ouro do Rádio" (estreia) - show
"Saudades e Boleros" - com Zezé Motta - show



DÉCADA DE 2000


2008
"Palavra de Mulher" (estreia) - com Lucinha Lins e Virginia Rosa - show

2007
"Amazônia: De Galvez a Chico Mendes" - TV Globo - minissérie
"Tieta do Agreste - O Musical" - teatro

2005
"De Bolero em Bolero" - DVD do show
"Essas Mulheres"- TV Record - novela

2004
"Os Monólogos da Vagina" (estreia de Tania) - teatro

2003
"Bossas e Boleros" - CD
"De Bolero em Bolero" - show

2002
"E Daí, Isadora?" - teatro

2001
"De Bolero em Bolero" - CD
"O Clone" - TV Globo - novela
A Grande Família - ep. "A Desquitada da Freguesia" - TV Globo - participação no seriado 

2000
Meu Brasil Brasileiro - SBT - apresentação de programa de variedades
"Todos os Forrós" - CD
"Marcas da Paixão" - TV Record - novela
"Todos os Forrós" - show


DÉCADA DE 1990


1999
"Coração de Bolero" - CD

1998
"Brida" - TV Manchete - novela
"A Hora Mágica" - cinema

1997
"Amores e Boleros - Vol.III" - CD
"Madacaru" - TV Manchete - novela

1996
"Amores e Boleros - Vol.II"  - CD
"Amores e Boleros" - show

1995

"Tocaia Grande" - TV Manchete - novela

1994
"Amores e Boleros" - CD
"O Compadre de Ogum" - TV Globo - especial

1993
Você Decide: ep. "Chofer de Táxi" - TV Globo - programa de TV
"Asa Branca" - com Dominguinhos - show

1992
"Humana" - LP
"Pedra Sobre Pedra" - TV Globo - novela
"Detalhes tão Pequenos de Nós Dois" - teatro

1991
"A República dos Anjos" - cinema

1990
"Pantanal" - TV Manchete - novela
"Lambada, Sonho e Sucesso" - vídeo



DÉCADA DE 1980


1989
"Folias Tropicais" - LP

1988
Agita Brasil - TV Manchete - apresentação de programa de variedades
"Brasil-Brazil" - LP

1987
"Tania Alves" - LP
"Tania Alves em Curaçao" - TV Manchete - especial de TV

1986
"Dona de Mim" - LP
"Dona de Mim" - show
Armação Ilimitada: ep. "A Outra" - TV Globo - participação no seriado

1985
"Ti Ti Ti" - TV Globo - novela
"Tenda dos Milagres" - TV Globo - minissérie
"Nordeste Já" - participação no projeto: compacto duplo e clipe

1984
"Órfãos da Terra" - TV Globo - especial de TV
"Tiradentes, Nosso Herói" - TV Globo - especial de TV
"Sole Nudo" - cinema
"Onda Nova" - cinema

1983
"Parahyba Mulher Macho" - cinema
"O Mágico e o Delegado" - cinema
"O Cangaceiro Trapalhão" - cinema
"Novos Sabores" - LP
"Bandidos da Falange" - TV Globo - minissérie
Bar Academia - TV Manchete - participação no programa 'Chico Buarque'

1982
"Lampião e Maria Bonita" - TV Globo - minissérie
Projeto Pixinguinha - com Glória Rios e grupo Bendengó - show


1981
"O Olho Mágico do Amor" - cinema
"Morte e Vida Severina" - TV Globo - especial de TV
"Tentação" - show
Projeto Pixinguinha - com Emilinha Borba e Eduardo Dussek - show
"Cabaret Mineiro" - Trilha Sonora do filme | faixas: "Cabaret Mineiro", "O Sonho", "Te Pega Te Pica"

1980
"Cabaret Mineiro" - cinema
“Calabar, o Elogio da Traição" - teatro
"Bandeira" - disco



DÉCADA DE 1970

1979
"Ópera do Malandro" - teatro
“Da Lapinha ao Pastoril” - teatro
"O Fado e a Sina de Mateus e Catirina"- teatro
"Bachianas Brasileiras - Meu Nome é Villa-Lobos" - telefilme
LP "Manduka" (Manduka) | faixa: 'Maldigo del Alto Cielo' - participação no disco
"Raimundo Sodré e Tânia Alves" - Morro da Urca- show

1978
LP "Vital Farias" (Vital Farias) | faixa: "Bate com o pé xaxado" - participação no disco
"Tanto Quanto Você É" (com Manduka) - show
"Forrobodó" - show
Sitio do Picapau Amarelo - ep. "Reinação Atômica" - TV Globo - participação no seriado 

1977
"Emanuelle Tropical" - cinema
"Morte e Vida Severina" - cinema
"A Incrível História de Pedro Bacamarte" - teatro
"Dois Pontos" - teatro
“Onde Canta o Sabiá” - teatro
"Tropicana" (com Tropicana Band) - show
"Morte e Vida Severina" - Trilha Sonora do filme | faixas: "Funeral de um Lavrador", "As Ciganas"

1976
"Hoje é Dia de Rock" (TV Cultura) - teleteatro
"Caixa Forte" (TV Cultura) - teleteatro
"Trem Fantasma" - curta-metragem
"Hoje Tem Futebol" - curta-metragem
"Mumu, a Vaca Metafísica" - teatro
"Canção do Fogo" - teatro

1975
"Doroteia, a Bruxinha Rebelde" - infantil
"Viva o Cordão Encarnado" (SP) - teatro
"Lampião no Inferno" - teatro

1974
"O Gran Circo Gonzaga" - infantil
"Viva o Cordão Encarnado" (RJ)- teatro

1973
"Reinações de Monteiro Lobato"- teatro infantil
"As Incelenças"- teatro
"O Rapto das Cebolinhas" - teatro infantil 


* Pesquisa: Leo Ladeira - Site As Cantrizes. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário